quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Brasil mantém concentração alta de renda

O artigo publicado pelos pesquisadores Pedro Herculano Guimarães Ferreira de Souza e Marcelo Medeiros, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), mostra aquilo que na prática muitos brasileiros já tinham a certeza, que a distribuição de renda no país ainda continua injusta e beneficiando os mais ricos.

Na pesquisa realizada por eles, conforme noticia da Organização das Nações Unidas (ONU), no período de 2006 a 2014 a participação dos mais ricos na renda total dos brasileiros continua alta (22,4%), contrariando o que pesquisas neste período e posterior afirmavam que teriam caído de 14,8% para 12,9%.

Os pesquisadores utilizaram os dados do imposto de pessoa física e comparou com os dados das pesquisas domiciliares. Quanto fizeram esta análise descobriram que na prática não houve redução e a concentração de renda continuou alta, colocando o Brasil como líder entre os 29 países pesquisas, seguido pelos Estados Unidos, Colômbia, África do Sul e Argentina.

Veja a matéria na íntegra da ONU clicando aqui

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

PSDB: uma saída a cavalheiro

É impressionante ver a postura dos tucanos neste momento em que, fica claro, o esvaziamento político do presidente Michel Temer, que precisa mais do que nunca, da articulação política do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM).
O PSDB vai sair do governo, mas antes vai negociar com o presidente. Este é o rompimento a cavalheiro e que deixa a possibilidade dos dois partidos caminharem juntos nas eleições de 2018 para a presidência.
Vivemos um momento político complicado, onde os principais políticos de vários partidos e estados estão sendo investigados por diversos crimes.
O certo é que as eleições de 2018 serã fundamental para o futuro político do país.   

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

#Somos todos contra a Concer

#Somostodoscontraaconcer é o tema da campanha lançada depois que foram divulgadas diversas manifestações de políticos, empresários e diversas pessoas contra a Concer.

Tudo isto ocorreu em função da tragédia ocorrida na manhã do dia 7 de novembro de 2017, quando uma cratera se abriu no Contorno, engolindo uma casa e deixando diversas interditadas, atingindo cerca de 50 famílias.

Com toda certeza, estas famílias ficam muito felizes ao ver que, principalmente os políticos da cidade, como os vereadores que cancelaram a sessão legislativa do dia 17 para dedicar todos os esforços para atender as famílias atingidas e, em apoio ao Governo Municipal. Petrópolis se senti prestigiada, pois no Senado, na Câmara dos Deputados e na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) ocorreram manifestações contra a Concer e a favor dos petropolitanos.

A maioria dos políticos anunciaram que vão entrar com ação na Justiça contra a cobrança do pedágio, pelo menos enquanto a BR-040, na altura do Contorno continuar interditada por causa da cratera. Os políticos que fizeram este anúncio esqueceram apenas que já existem diversas ações neste sentido, além é claro do processo existente no Tribunal de Contas da União (TCU).

Já os empresários da cidade estão, mais uma vez reforçando o grito da população do Contorno, que desde o início das obras do túnel, sempre pediram atenção das autoridades sobre o que vinha ocorrendo, mais nunca foram ouvidos. Talvez agora, devido a tragédia, eles sejam ouvidos e alguma coisa de fato aconteça em benefício da população da região onde está sendo construído o túnel.

Não se esqueçam #Somostodoscontraaconcer.

Anderson Juliano fica ou sai

Nos bastidores políticos a aposta é quanto tempo vai durar no cargo o secretário de Educação, Anderson Juliano. Um dos motivos é o movimento dos profissionais de educação contra as medidas tomadas pela Prefeitura.

Há quem afirma que Anderson Juliano não é visto mais com bons olhos nem por funcionários que trabalham próximo ao seu gabinete. Se de um lado, há quem afirme que as medidas tomadas foram importantes e fundamentais, para os profissionais de educação ele começa a ser encarado como inimigo da Educação, o que pode gerar um desgaste ainda maior.

O descontentamento com o secretário vai além da Secretaria Municipal de Educação. Em algumas comunidades, pais de alunos estão se organizando para se opor as medidas tomadas pela Secretaria. Muitos pais contam com apoio de professores e outros profissionais da educação que estão se sentindo prejudicados por causa das medidas tomadas.

Enquanto isso, o prefeito Bernardo Rossi prefere não se manifestar publicamente, deixando as coisas acontecerem. Mas, políticos de plantão e de olho no governo, afirmam que é uma estratégia do prefeito, pois até o momento apenas o secretário tem sido alvo das críticas.

Um político ligado ao governo acredita que, enquanto as críticas não afetarem a imagem do prefeito, o secretário Anderson Juliano vai continuar no cargo, servindo como “bucha de ganhão”.