Pular para o conteúdo principal

Acessibilidade e transporte público

A acessibilidade no transporte público da cidade foi tema de audiência pública, na Câmara Municipal, na manhã do dia 25 de agosto, presidida pelo vereador Marcelo da Silveira, que há meses vem chamando atenção dos vereadores para os problemas do transporte público na cidade.
O encontro contou com a presença de várias entidades petropolitanas, que defendem as pessoas com alguma necessidade especial e deixaram claro sua insatisfação com o transporte público, assim como a acessibilidade na cidade de forma geral.
Mais uma vez, a ausência de representantes das empresas de ônibus da cidade na audiência, deixa uma dúvida, se eles de fato estão comprometidos com o transporte público ou se, apenas prestam o serviço em função do lucro.
Na minha opinião, as duas situações podem caminhar juntos, mais o que vemos é justamente a falta de comprometimento na discussão de políticas públicas sobre mobilidade urbana. Notícias publicadas na imprensa local, mostra que na maioria das vezes a preocupação é com a gratuidade, ou melhor, buscar argumentos para reduzir a gratuidade, pois alegam que quem paga esta gratuidade são as pessoas que pagam a passagem, o trabalhador.
Outra questão que nos deixa preocupados é se os empresários de ônibus não consideram a Câmara Municipal espaço para estas discussões. O que seria um equívoco muito grande, pois é no Legislativo Municipal onde a discussão sobre políticas públicas ganha força e são definidas, principalmente quando transformadas em lei.

Independente desta situação, a audiência pública, promovida pelo vereador Marcelo da Silveira, deixou claro que há uma insatisfação de todos os segmentos com o transporte público e estão exigindo mudanças, o que obriga o governo a dialogar mais com a sociedade e com a iniciativa privada para que o transporte atenda a todos e a todas. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diretório do PSL em Petrópolis foi dissolvido

Na manhã de hoje, recebi mensagem do deputado federal do PSL, Daniel Silveira, informou que o diretório municipal do partido na cidade foi dissolvido e que ele passou a ter plenos poderes na executiva municipal.

O deputado me informou que a decisão foi tomada durante uma conversa com o senador Flávio Bolsonaro que orientou a tomar esta decisão, dando-lhe plenos poderes para organizar o partido na cidade.

Do diretório anterior, apenas Octávio Sampaio, que era o presidente foi mantido e vai ajudar o deputado a reconstruir a direção municipal do PSL.

Carta do vereador Paulo Igor

Às famílias Petropolitanas,

Não posso me calar diante do personagem (vilão) que tentam construir sobre minha pessoa. Acusações descabidas, matérias tendenciosas e excesso daqueles que deveriam ser responsáveis pelo equilíbrio.

Tenho me mantido de forma reservada em especial para preservar a minha família. Porém a necessidade de protagonismo de alguns poderes constituídos, a falta de responsabilidade de parte da imprensa em checar o que se divulga e até mesmo a ganância pelo poder por parte daqueles que mentem e não medem consequências por seus atos e falsos testemunhos me fazem me manifestar publicamente.

Construí minha carreira política pautada no diálogo franco e direto com os eleitores e com a classe política. Sempre soube que, para o fiel exercício do meu mandato parlamentar, era importante ter uma boa interlocução política, ou seja, era fundamental estar sempre aberto a ouvir, dialogar e assim encontrar o equilíbrio e o consenso. Nada é possível sem consenso. Sem consenso o qu…

Partido Novo enfrenta problemas pós eleição

De acordo com uma fonte, o partido Novo no Estado do Rio está rachado e o motivo seria a entrada de militantes da esquerda que agora se dizem da direita.

O partido Novo está sofrendo um problema que outras siglas já passaram e estão passando, com militantes políticos, sem nenhuma afinidade partidária, afinidade apenas com o poder (governo) buscam espaço político de olho num futuro próximo ou distante.

Este racha e a entrada de militantes da esquerda trouxe a tona outra questão: o partido surgiu para apresentar algo de fato novo em busca de mudança política, ou para atender o ego político de João Amoêdo, financiador e idealizador do partido Novo.

Na eleição para presidente, Amoêdo ficou em quinto lugar com 2.679.745 votos e no Estado do Rio em sexto com 139.208 mil votos.

Agora é esperar para ver se os deputados e o governador de Minas Gerais eleitos vão de fato apresentar o novo ou será um novo/velho.