Pular para o conteúdo principal

PSB discute a saúde do Município

Na noite de ontem, após participar em Nova Friburgo, da reunião do Fórum Regional dos Conselhos Municipais de Saúde Região Serrana, à noite em Petrópolis, como convidado participei de um encontro do Partido Socialista Brasileiro (PSB), cujo tema foi a “saúde do município”.

O encontro foi conduzido pelo presidente de honra do partido e ex-prefeito, Rubens Bomtempo, tendo ao seu lado dois ex-secretários de saúde do seu terceiro governo (2013/2016), André Pombo e Ricardo Patulea.

Não vou entrar nas questões políticas e muito menos nas criticas feitas por eles as medidas tomadas pela atual gestão municipal, sob o comando do prefeito Bernardo Rossi.

Mas, quero ressaltar um dos assuntos do encontro, que foi sobre as duas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) Centro e Cascatinha, cuja expectativa de todos, é pela decisão do juiz da 4ª Vara Cível de Petrópolis, Jorge Luiz Martins Alves, que deve sair amanhã (dia17/01) ou nos próximos dias.

Os problemas apontados pelos dois secretários e servidores da saúde, que participaram do encontro, não foi nenhuma novidade para quem está acompanhando o processo de mudança na administração das UPAs desde setembro.

O que fica claro, e sobre isto já manifestei em depoimento prestado ao magistrado da 4ª Vara Cível, é a insatisfação dos trabalhadores com a forma de contratação, por meio de cooperativa, que retirou deles todos os direitos sociais trabalhistas que tinham antes, quando as contratações eram pelo sistema CLT.

É evidente que toda mudança causa transtornos, porém, a mudança na forma de administração das UPAs mostrou e está mostrando que, o principalmente objetivo das UPAs começa, ou já está há algum tempo, totalmente comprometido, que é o atendimento à população.

Não entro no mérito da questão se o governo anterior soube administrar melhor do que o atual, ou se o atual cometeu erro ao fazer o pregão que teve como vencedor o Consórcio Saúde Legal. Mas, como cidadão petropolitano e atualmente como presidente do Conselho Municipal de Saúde não tenho dúvida que a mudança no formato administrativo das UPAs vem causando um dano irreparável ao sistema de saúde do município. Além dos mais, tem prejudicado o atendimento à população. Antes, com a Cruz Vermelha havia problemas, porém conseguiu-se fechar o ano de 2016 com o atendimento que dava sinais de referência e de qualidade para população.

Acredito que, neste momento, o prefeito Bernardo Rossi tem uma avaliação muito mais detalhada da situação do que eu e por isso, creio que as informações que me chegam sejam verdadeiras e que mudanças podem acontecer em prol de um atendimento com qualidade e eficiência, pois é isto que o Conselho Municipal de Saúde vem cobrando.

Mas, as mudanças, sejam elas quais forem, ainda depende da decisão do juiz da 4ª Vara Cível.

Sobre a reunião em si, os dois ex-secretários apresentaram os números do governo anterior, fizeram as devidas comparações, ressaltaram situações que para eles são problemas e apontaram soluções. O ex-prefeito também teve o mesmo posicionamento, mas sugeriu aos seus companheiros atenção aos problemas e que denunciem as irregularidades.

Para concluir, você pode perguntar: por que participei deste encontro?

Simples: como cidadão devo ouvir todas as opiniões para formar a minha; como convidado, responder a um convite de amigos e pessoas que respeito; como presidente do COMSAÚDE, ouvir a avaliação de dois ex-secretários de Saúde, como tenho ouvido o atual secretário e assim formar minha opinião como presidente do Conselho Municipal de Saúde.



No mais, tenho o compromisso de lutar por uma saúde melhor, pois acredito no SUS, como um sistema eficaz para atender a população. Por isso, temos que estar unidos contra as medidas do Ministério da Saúde, que nos últimos anos tem promovido o desmonte do SUS, reduzindo o financiamento público federal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diretório do PSL em Petrópolis foi dissolvido

Na manhã de hoje, recebi mensagem do deputado federal do PSL, Daniel Silveira, informou que o diretório municipal do partido na cidade foi dissolvido e que ele passou a ter plenos poderes na executiva municipal.

O deputado me informou que a decisão foi tomada durante uma conversa com o senador Flávio Bolsonaro que orientou a tomar esta decisão, dando-lhe plenos poderes para organizar o partido na cidade.

Do diretório anterior, apenas Octávio Sampaio, que era o presidente foi mantido e vai ajudar o deputado a reconstruir a direção municipal do PSL.

Carta do vereador Paulo Igor

Às famílias Petropolitanas,

Não posso me calar diante do personagem (vilão) que tentam construir sobre minha pessoa. Acusações descabidas, matérias tendenciosas e excesso daqueles que deveriam ser responsáveis pelo equilíbrio.

Tenho me mantido de forma reservada em especial para preservar a minha família. Porém a necessidade de protagonismo de alguns poderes constituídos, a falta de responsabilidade de parte da imprensa em checar o que se divulga e até mesmo a ganância pelo poder por parte daqueles que mentem e não medem consequências por seus atos e falsos testemunhos me fazem me manifestar publicamente.

Construí minha carreira política pautada no diálogo franco e direto com os eleitores e com a classe política. Sempre soube que, para o fiel exercício do meu mandato parlamentar, era importante ter uma boa interlocução política, ou seja, era fundamental estar sempre aberto a ouvir, dialogar e assim encontrar o equilíbrio e o consenso. Nada é possível sem consenso. Sem consenso o qu…

Partido Novo enfrenta problemas pós eleição

De acordo com uma fonte, o partido Novo no Estado do Rio está rachado e o motivo seria a entrada de militantes da esquerda que agora se dizem da direita.

O partido Novo está sofrendo um problema que outras siglas já passaram e estão passando, com militantes políticos, sem nenhuma afinidade partidária, afinidade apenas com o poder (governo) buscam espaço político de olho num futuro próximo ou distante.

Este racha e a entrada de militantes da esquerda trouxe a tona outra questão: o partido surgiu para apresentar algo de fato novo em busca de mudança política, ou para atender o ego político de João Amoêdo, financiador e idealizador do partido Novo.

Na eleição para presidente, Amoêdo ficou em quinto lugar com 2.679.745 votos e no Estado do Rio em sexto com 139.208 mil votos.

Agora é esperar para ver se os deputados e o governador de Minas Gerais eleitos vão de fato apresentar o novo ou será um novo/velho.